O que diferencia o ser humano dos animais é a consciência da finitude da vida

09 janeiro 2014

Foram filósofos gregos que chegaram a essa conclusão ao se debruçar sobre a essência da vida. Parece que faz sentido, não é? Pois é incrível como depois de séculos de conhecimento e aprendizagem ainda hoje existem muitas pessoas que não se deram conta desse ensinamento.
Pois então vejamos. Se o que nos diferencia dos animais é a consciência que iremos morrer um dia, o que fazemos com essa informação?
Os mais sábios entendem os reflexos dessa realidade e trabalham, incessantemente, como se cada dia fosse o último dia de suas vidas, procurando dar significado a sua existência e, como consequência, ser feliz.
Outros, simplesmente ignoram essa dádiva que recebemos e, bovinamente, estão apenas de passagem por aqui, acompanhando a manada e não refletindo sobre o valor de sua existência.
É inegável que ter a consciência de que um dia iremos partir traz como consequência preocupação e, muitas vezes, medo. Talvez a alienação fosse melhor, não é? As vezes quando saio para trabalhar e vejo a felicidade alienante do Porsche, nosso Golden de estimação chego a invejá-lo. Porém, basta me deparar com todos os desafios que se apresentam diariamente em nossas vidas para perceber que esse pensamento é uma grande besteira. Vivemos no mundo das possibilidades e só isso já basta para levantar a cabeça, sacudir a poeira e ir para cima.
Não podemos decidir como iremos morrer, porém podemos decidir como iremos viver.
Qual é a sua escolha? A minha decisão já tomei e os próximos passos serão espetaculares. Vem comigo nessa ‪#‎GV‬