Porque não podemos parar de aprender

24 junho 2015

Nesse final de semana li um livro que recomendo muito: “Organizações Exponenciais” do pessoal da Singularity University.
O livro aborda o conceito de Organizações Exponenciais que são àquelas que conseguiram se adaptar melhor ao contexto atual e crescem exponencialmente. Um dos dados apresentados pelos autores que me chamou a atenção foi a citação de um estudo de John Seely Brown que mostra que a vida útil de uma habilidade aprendida costumava ser de 30 anos. Hoje ela diminuiu para cerca de 5.
Vejam que informação relevante: no passado, ao adquirir uma habilidade que me diferenciava eu tinha uma vantagem competitiva como profissional ou como organização que me traria uma vida útil de 3 décadas. Só isso já justifica o comportamento estabelecido perante o aprendizado. Para que eu iria continuar aprendendo se minha perspectiva era tão longa? Da mesma forma, essa lógica justifica os planos de carreira tão estáveis, pois não era necessária a busca por outras referências.
O mundo mudou e isso não é uma falácia. O comportamento e a prática de aprender sempre é uma realidade que deve ser encarada de frente e exercitada em todos os dias de sua vida. Sabe aquela perspectiva que você tem a respeito de fazer exercícios físicos para sempre? Pois a mesma lógica vale para os exercícios mentais que você deve desenvolver.
É necessário aprendermos a aprender sempre. Não bastam os modelos convencionais tradicionais de ensino. A web nos traz a possibilidade de viajar por infindáveis universos de conhecimento. São necessários alguns cuidados para não cair em estradas que não te levam a lugar algum. A solução, no entanto, só será encontrada com muita prática.
A prática do aprendizado constante.