A colheita é comum, mas o capinar é sozinho

27 novembro 2013

Continuando a história da fome de meu post anterior (http://migre.me/gMnEo), me lembrei dessa frase do Guimarães Rosa no Grande Sertão Veredas (lá vou eu com as metáforas).
Por mais que tenhamos um contexto, um ambiente que contribui e dificulta nossa vida é inescapável que “o capinar é sozinho”, ou seja, no final do dia somos nós que fazemos a diferença e protagonizamos – ou não – a evolução de nossa vida pessoal e profissional.
Assim, nos escorar nas lamúrias e usar as dificuldades, inerentes ao ambiente, como muletas não irá nos ajudar em nada. Pelo contrário, enquanto estivermos presos nesse looping, não conseguiremos olhar um palmo diante de nosso nariz.
É evidente que não estou sendo hipócrita afirmando que tudo é fácil. Pelo contrário, os desafios são imensos para quem quer fazer a diferença. O resultado, no entanto, sempre compensa. Aliás, temos outra opção a não ser ir atrás daquilo que almejamos?