Como faço para identificar meu propósito ao empreender minha vida?

09 fevereiro 2015

Essa é uma das questões que recebo frequentemente quando abordo a importância de você alinhar sua jornada empreendedora com seus propósitos de vida. Afinal, como sei qual é meu propósito de vida? Onde investir meu tempo, minha vida?
Um dos caras que mais admiro é Rubem Alves. Sempre estou consultando alguma obra desse brasileiro incrível que nos deixou ano passado. Em uma dessas leituras – não me recordo exatamente em qual livro – Rubem Alves comenta que estava em uma viagem a Bolívia. Se encontrava em um local bastante carente e resolveu conhecer uma feira local. Nessa feira encontrou uma senhora que vendia laranjas. Entabulou então uma proza deliciosa com a nativa que comentou sobre as dificuldades que se apresentavam a ela diariamente naquela comunidade e em como era desafiante sua rotina diária. Rubem Alves e sua esposa se comoveram com aquela história. Sem pensar duas vezes decidiram arrematar todas as laranjas que estavam sendo vendidas. Ao anunciar essa decisão, a vendedora negou veementemente essa possibilidade. Perplexo, Rubem Alves quis entender melhor essa motivação. O porquê ela não desejava vender todas as laranjas, realizar esse lucro e voltar para casa para tocar suas outras necessidades. Com a simplicidade que caracteriza a maior parte das coisas geniais de nossa vida, a boliviana respondeu: “Se eu lhe vender todas as laranjas o que eu farei do meu dia?”.
Foi aí que ele teve o insight: aquilo era a coisa mais importante da vida dela. É o que lhe dá prazer, lhe realiza e completa. E essa missão não está relacionada a recompensa financeira, a grana. Ou seja, não é o dinheiro que lhe realizaria.
Foi lendo essa história que tive o meu insight. Uma das formas que você pode exercitar para encontrar seu propósito é fazer a seguinte reflexão: imagine que você vive em um contexto onde não é necessário dinheiro para suprir suas necessidades e você tem a liberdade de fazer o que desejar. A questão é: o que você faria? Quais atividades se dedicaria? Você faria o que está fazendo agora?
São perguntas simples, mas cujas respostas irão gerar reflexões profundas.
Não quero ser hipócrita ou simplista definindo que basta você ter consciência do que cria valor a sua vida e pronto: como num passe de mágicas você tem a fórmula da felicidade às mãos.
Pelo contrário. A jornada é sempre dura e envolve muita dedicação. Muitas vezes você terá de realizar coisas que não gosta, porém que são indispensáveis para atingir seu objetivo.
O fato concreto, porém, é que se não está clara a visão de onde deseja ir, todos os esforços realizados podem não lhe atender. Lembra da história da Alice: “Para quem não sabe onde quer chegar qualquer caminho serve”?
Para correr uma maratona é necessário dar o primeiro passo. Não deixe de dar o seu agora mesmo.
Ah, não existe nenhum outro lugar no mundo onde eu desejaria estar que não fosse aqui 😉