Como manipular os algoritmos

09 Fevereiro 2018

Uma das expressões mais visíveis da polarização e o maniqueísmo que assolam a sociedade atual reside na normatização dos gostos e opiniões que invadem as timelines de nossas redes sociais. Não são poucas as pessoas que imaginam que a visão do mundo é a visão das pessoas que lhe seguem. Ledo e perigoso engano.

O ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acertou em cheio em seu discurso quando esteve no Brasil em Outubro de 2017 no trecho em que aborda os desafios da diversidade de opiniões na sociedade atual:

“Estamos mais conectados do que nunca, mas isso faz com que, em alguns casos, seja mais fácil recuarmos a nossas próprias tribos, nossas próprias bolhas, onde só escutamos pessoas que pensam da mesma maneira como nós. E nunca desafiamos as nossas próprias presunções, porque tudo o que lemos, tudo o que vemos é simplesmente o que um algoritmo nos disse que deveríamos ver.”

Alguns incautos irão enxergar na abordagem de um dos personagens mais poderosos do mundo uma síndrome persecutória, aquela que assola indivíduos que tem a crença de que estão sendo eternamente perseguidos.

Será?

Não tenho essa mesma convicção.

As discussões ideológicas e políticas tão comuns nas redes sociais mostram que nos desacostumamos com a opinião contrária a nossa. Não almejo entrar aqui na análise acerca dos riscos dessa perspectiva para a evolução da nossa sociedade. Não por achar isso menor. Pelo contrário. Em minha opinião, esse é um dos temas mais relevantes da humanidade e deveria estar na pauta prioritária de nossas discussões. Meu foco nesse artigo, no entanto, é outro. Quero explorar uma dimensão dos impactos dessa influência dominadora dos algoritmos na nossa rotina.

Nesse sentido, absortos em absorver todos os movimentos sem questionar ou refletir sobre seus mecanismos, nem percebemos seus riscos. Os sistemas não são infalíveis (e tenho dúvidas se um dia serão) e podem ser manipuláveis com (relativa) facilidade.

Na newsletter Meios (que assino e recomendo fortemente), tomei contato com uma informação incrível e assustadora. Em um artigo é contada a história do restaurante The Shed at Dulwich que chegou ao topo da lista do TripAdvisor como um dos melhores de Londres. Na plataforma você encontra fotos dos pratos, endereço, página da internet e todas as informações sobre o local. Também existem diversas recomendações e avaliações elogiosas do restaurante que só recebia clientes mediante reserva, porém estava sempre lotado.

O badalado restaurante chegou a ter 89 mil visualizações em um único dia e sua fama se espalhou pela web o que logo lhe alçou ao topo da lista do TripAdvisor.

Até aí nada de errado.

O que chama atenção é que o restaurante simplesmente não existe. Foi resultado do projeto de Oobah Butler, um jornalista inglês que resolveu demonstrar como é possível criar um restaurante popular na web sem ter a necessidade de preparar um primário miojo.

O ser humano burlou a inteligência artificial do algoritmo e criou uma visão que não está lastreada em nada concreto.

Percebe o risco de absorver passivamente todas as informações que recebe na web?

Baseado nessas informações há o risco de você desacreditar todo sistema e o avanço tecnológico. Os extremos, como sempre, não são o espaço mais virtuoso. A evolução tecnológica é inconteste e veio para ficar. A grande questão que se coloca é qual é a sua postura perante a essa revolução.

É impensável você agir como um Ermitão ou os ludistas do início da Revolução Industrial que simplesmente negavam os avanços tecnológicos da época. Pelo contrário, é necessário agir proativamente em direção ao epicentro das transformações buscando entender suas nuances e quais perspectivas geram oportunidades de uma inserção positiva.

Análise crítica, inquietude e muita, muita proatividade na aquisição de conhecimento são os primeiros passos para desenvolver sua própria opinião e repertório. Essa estratégia é fundamental para que você se liberte dos grilhões da manipulação proveniente de qualquer fonte, seja ela formal, informal, explícita ou oculta.

Só mesmo dessa forma é possível não se deixar orientar pela força dos algoritmos e aproveitar o que eles têm de melhor, na medida em que, se modelam a seu comportamento e contribuem para que você encontre as informações que melhor se adaptam a seu perfil.

É necessário aproveitar o melhor da tecnologia e fazer com que ela trabalhe para você. E não o contrário.

 

P.S. Aqui está a matéria original sobre como Oobah Butler colocou o The Shed at Dulwiich no topo do Trip Advisor.